Como contabilizar recursos na área de produção

 :
Devemos fazer uma análise de cada situação para não se deixar levar pela simplificação do tipo “tudo o que ocorre na área de produção de bens e serviços é classificado como custo” e deve ser levado para a conta patrimonial ‘estoque’, e aquilo que ocorre fora dessa área é despesa, devendo ser 100% registrado no resultado do período. Existem gastos ocorridos na área de produção que não são classificados como custos, e outros ocorridos fora dessa área que são custos.


Custo é o gasto aplicado na elaboração de bens e serviços destinados à venda, tenha ele ocorrido – ou não – na área física que a empresa destina à produção.

Abaixo cito alguns exemplos de gastos ocorridos fora da área de produção e classificados como custos:
a. Remuneração a outra empresa que executa uma etapa da elaboração de bens que se destinam à venda;

b. Transporte de matéria-prima e de componentes, efetuado fora da área de produção, tem o gasto correspondente classificado como custo;

c. Remuneração de técnico que inspeciona, fora da empresa, a qualidade do material adquirido para aplicar na elaboração do bem destinado à venda;

d. Gasto com o deslocamento de técnico na execução da tarefa do item “c”;

e. Gasto com transporte (próprio ou terceirizado) de pessoal alocado às atividades de elaboração de bens.

Temos também exemplos de gastos ocorridos dentro da área de produção e não classificados como custos:
a. Parcela do recurso aplicado correspondente à ociosidade nos períodos em que ela ultrapasse os limites da normalidade. Pois, o custo referente a essa anormalidade deve ser levado diretamente para despesa não operacional, a título de item extraordinário, segundo Ofício-Circular da Comissão de Valores Mobiliários – CVM, em consonância com o estabelecido na Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 e no Boletim de Pesquisa Contábil ARB 43;

b. Recursos despendidos na elaboração de um bem de vida útil de longa duração, não destinado à venda, mas para ser utilizado pela própria empresa na elaboração de outros bens, devem ser classificados como imobilizado;

c. Recursos aplicados na produção de bens destinados à venda e, portanto, classificáveis como custo, que foram perdidos em um acidente operacional, devem ser classificados como perda.

A essência deve sempre prevalecer sobre a forma. Portanto, conclui-se que podem existir recursos aplicados fora da área de produção classificados como custos, e, por outro lado, podem existir aqueles que, embora ocorridos dentro da área de produção, não são classificados como custos.

por René Gomes Dutra



Fonte: Gennegociosegestao.com.br
Contato
Email:

contatocellim.com.br

Fone:

11.4121.3400

Endereço:

Rua Santos Dumont n.º 168, Conjunto 22
Centro - São Bernardo do Campo/SP

Ver no Waze


Novidades
  • Decreto autoriza uso do FGTS para a compra de órtese e prótese
  • Condições e documentos para saque do FGTS
  • STJ afirma que negócio de cooperativa com terceiro recolhe ISS
  • Optantes pelo Simples Nacional podem aderir ao Parcelamento Especial de débitos
  • Se tabela fosse corrigida, só pagaria imposto quem ganha acima de R$ 3.556
  • Riscos e desafios do sistema sindical
  • Empresas podem ser obrigadas à atestar participação de estagiários em suas atividades
  • Deixar de pagar imposto declarado não é crime fiscal, é inadimplência, decide STJ
  • Alteração no regulamento do FGTS possibilita saque para aquisição de próteses ou órteses para trabalhadores com deficiência
Redes Sociais